Quer mesmo ajudar?

Diante da grande polêmica (totalmente desnecessária), que se formou nas Redes Sociais, diante da aprovação do casamento gay nos EUA, vi muitas pessoas compartilhando a foto abaixo:

casamentogay

Bom, senti-me no dever de ajudar essas pessoas, pois como sou professor, tenho o dever de sempre estar pronto a prestar informações a quem pede, mesmo que não seja minha área de formação, mas fui buscar informações para poder ajudar aos que  esperavam as campanhas e só estavam aguardando “o chamado”.

Existem muitas outras, mas estou listando apenas algumas, acredito que seja o suficiente para iniciar a campanha e, com o passar do tempo, vamos alimentando a lista e dando mais opções.

Quer mesmo ajudar? Então listo algumas entidades que estão contando com sua preciosa colaboração e já que você só precisava de um toque, de um aviso, ai vai ele:

apae www.apaebrasil.org.br
cruz www.cvbsp.org.br
logo-medicos-sem-fronteiras www.msf.org.br
Logo-Boldrini-horizontal5 www.boldrini.org.br

Se o seu problema era só a falta de uma campanha ou um chamado, considere-se convocado! Essas são apenas algumas Instituições, se quiser, me envie o link e o nome de outras e vou acrescentando na lista, estou falando sério, vamos mobilizar uma grande campanha em prol de quem precisa, afinal, se existem tantas pessoas dispostas a ajudar, mãos à obra!

Sim, eu ajudo mensalmente, pois seria muita hipocrisia eu mandar você fazer uma coisa que não faço.

E, só mais uma coisinha: psssiiuuu, quietinho, sem mimimi dessa vez, ok?

Publicado em Textos diversos, Utilidade Pública | Deixe um comentário

O problema está na Religião?

 

Essa é a primeira vez que escrevo falando sobre a Religião, normalmente procuro não abordar o tema, pois entendo que é polêmico, de foro privado e cada um acredita naquilo que bem entender, portanto, vejo que não há muito que discutir e prometo não discutir, apenas externar o que penso.

Começo dizendo que atualmente não frequento religião alguma, no entanto, não me considero ateu, pelo menos não até hoje. Minha formação foi dentro da religião católica, pois meus pais são de família tradicionalmente católica, crença que frequentei assiduamente por muito tempo, da qual guardo coisas boas em meu coração e, pela qual, até hoje, tenho respeito, embora, naturalmente, não concorde com tudo o que pregam. Depois, fui procurar o Espiritismo, crença que também frequentei por anos e anos, que me trouxe uma explicação racional para muitos questionamentos que eu trazia e que preencheu muitos dos vazios existenciais que eu possuía. O que me levou a sair de ambas? Acredito que o mesmo fator: as pessoas. Vejo que a religião, em essência, não é o problema, pelo contrário, mas as pessoas as deturpam tanto que elas acabam se tornando cansativas e, por livre opção, hoje me reservo o direito de acreditar naquilo que eu quiser, sem alguém me dizendo o que posso ou o que não posso fazer. Não estou falando como crítica, antes que já venham jogar pedras, falo o meu ponto de vista e você não tem obrigação nenhuma de concordar comigo, mas se tiver paciência, continue a leitura.

Entendo Deus como um ser realmente superior, uma força maior, uma energia cósmica, um ser de luz e dê a Ele o nome que quiser, pois nomes não significam nada, pelo menos não para mim. Gosto de pensar em Deus não como uma pessoa amarga, rancorosa, que fica do alto do seu trono julgando a todos o tempo inteiro, pois acho que seria muito chato e, convenhamos, seria antagônico, pois todas as religiões não pregam que Deus é perfeito e também que foi Ele quem tudo criou? Acompanhe meu raciocínio: se ele criou tudo e precisa ficar julgando a cada um de nós pelo que fazemos, significa que ele nos criou com defeito, portanto, toda sua criação não é perfeita e, por consequência, Deus também não é perfeito! Não tenho nenhum problema em pensar dessa forma, o Deus é meu e eu penso como quiser. Sim, o Deus é meu, pois cada um faz o que quer com Ele, então, também faço, questão de igualdade de direitos.

Mas calma, não estou blasfemando, pois realmente não acho que Deus é imperfeito, apenas estou pensando e questionando, tentando achar respostas minhas e não respostas que alguém deu por mim. Certo ou errado, prefiro eu mesmo obter minhas respostas, pelo menos se eu errar, responderei por aquilo que eu acredito e não por algo que alguém me fez acreditar. A própria Bíblia diz que o homem foi criado a imagem e semelhança de Deus, mas o que vejo no dia a dia é uma inversão, a impressão que tenho é que Deus foi criado à imagem e semelhança dos humanos, pois ele possui todas as nossas imperfeições, tais como: raiva, cólera, intolerância, imparcialidade, entre tantos outros defeitos, tipicamente humanos.

Outra máxima que todos adoram: Deus é amor! E o que é o amor? Devo amar somente os que pensam como eu penso? Devo amar somente os que professam da mesma crença que eu professo? Devo amar só os brancos? Só os heterossexuais? Isso não seria um critério bem deturpado da outra máxima, “Amai a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”. Já que todos gostam de pegar trechos da Bíblia para se justificar das suas escolhas, resolvi fazer o mesmo.

Pelo que me lembro da Bíblia, das minhas lições da época de catequese, Jesus sempre condenou a hipocrisia, andava entre pessoas de todos os tipos, não  fez qualquer discriminação por crença, raça, opção ou comportamento sexual ou de qualquer outro tipo, pelo contrário, sempre os acolheu e os protegeu, tanto é verdade que o ápice do seu momento derradeiro foi entre dois ladrões condenados. Sim, isso mesmo,  ele não escolheu morrer entre clérigos, religiosos ou qualquer outro, ele morreu entre ladrões condenados. Quero crer que isso foi uma atitude significante e creio que ele quis deixar, talvez, uma última mensagem a humanidade, que a meu ver é a do perdão, a da simplicidade, a do não julgamento, a da tolerância.

O que quero dizer e o que penso é que a religião, a Bíblia ou qualquer outro ensinamento não pode ser a desculpa para esconder nossas imperfeições, sejam elas quais forem e o que observo nos últimos tempos é que a religião se tornou um instrumento de intolerância, de crueldade, de selvageria e de crucificação por qualquer motivo. Você pode não concordar e nem precisa, mas pelo menos pense. Será que o Deus bondoso está feliz com todo o rancor que Ele anda sondando nos corações dos seus filhos?  Será que Ele realmente vai ficar do alto do seu trono somente nos condenando ou absolvendo? Quero acreditar que Deus é mais do que esse ser mesquinho, raivoso e preconceituoso em que o transformaram, porque se Ele for só isso, então estou mudando meu status para “Ateu”.

Eu vejo pessoas o tempo todo copiando pedaços de trechos sagrados para justificar suas atitudes, mas copiar ou citar não diz nada, pelo menos para mim. Sabe o que acho que importa? O que está em seu coração! Quando alguém te fizer uma pergunta ou um questionamento, não responda com uma citação da Bíblia, responda com o que seu coração acha, pois isso vai mostrar os sentimentos que lá dentro se encontram, que pelo que ando observando, pelo menos para a grande maioria, é tão somente a raiva, o ódio disfarçado por muitos discursos hipócritas, mas tirando o véu, só vão sobrar o ódio e a raiva, sentimentos que entendo, são totalmente contraditórios ao que eu entendo como Deus.

Eu realmente acredito que o problema não é a religião, como muitos pregam, pois a religião é tão somente o instrumento, culpar a religião pela intolerância, seria mais ou menos como culpar uma faca por um assassinato. Novamente, o problema é que o ser humano se distanciou do verdadeiro amor e criou a religião à moda da casa, ou seja, cada um montou a sua, impondo seus pontos de vista e deu uma maquiada com a imagem de Deus. Por qual motivo precisamos de tantas crenças se o ensinamento é único? Aliás, por que precisamos de uma crença se qualquer um pode ler e entender o que está escrito? Porque nem todos querem pensar, talvez seja uma resposta e, novamente, não é uma crítica, é o meu ponto de vista, por isso, se você teve paciência para ler até aqui, independente da sua religião, pense por si próprio, não tenha vergonha ou medo de questionar seus sentimentos e ações, Deus não vai te punir por isso, aliás, por nada, quem pune são os homens e nossas próprias consciências, nada mais.

Resolvi escrever esse texto diante das últimas polêmicas, mas não pela polêmica em si, mas por uma angústia que me consome há muito tempo, por uma angústia em ver que as pessoas ainda estão arraigadas a conceitos milenares, escritos numa época em que a barbárie tomava conta da humanidade e, diante disso, temos duas situações: ou aceitamos que está na hora de rever alguns conceitos ou aceitamos que ainda continuamos na barbárie.

Observo uma insegurança muito grande nos argumentos, medo, até desespero mesmo, pois quando você começa a questionar muito, alguns apelam, partem para as ofensas pessoais e, para mim, isso só demonstra que os argumentos acabaram e só sobrou o medo, a dúvida e, portanto, a agressão, como forma de disfarçar esses sentimentos. Não estou incentivando o fim das religiões, não estou dizendo que sua religião é melhor ou pior, nada disso, só estou dizendo que religião alguma tem o direito de fazer com que você não pense e não tenha suas próprias conclusões, mas isso é só o que eu penso e você é livre para pensar o que quiser e vou respeitar, mesmo não concordando, mas vou respeitar, coisa que vejo e afirmo categoricamente, muitos ditos cristãos não o fazem. Respeito não é concordância, é simplesmente ouvir outro ponto de vista diferente do seu e, se você sequer consegue ouvir, sequer consegue pensar em nada diferente daquilo que você tem como convicção, cuidado, esse é um pequeno passo para o caminho da grande intolerância que estamos assistindo todos os dias, que todos nós queremos mudar, mas que poucos realmente mudam.

Não concorda? Direito seu e isso não é só para esse texto, é para qualquer situação da vida, mas lembre-se, as outras pessoas também tem o mesmo direito que lhe foi concedido, ou seja, o de não concordar com o SEU ponto de vista, que para você pode ser o melhor, o mais perfeito, o único, talvez, mas é SÓ o seu ponto de vista e, talvez para mim, ele também não faça sentido algum, assim como esse meu texto, para você, pode não significar nada ou até ser um completo absurdo.

As pessoas criaram um Deus tão distante, tão inalcançável e creio que essa seja uma das causas de tantas angústias, pois o ser humano precisa da religiosidade, que nada tem a ver com religião, precisamos de significados, de símbolos, de algo que nos remeta ao superior. Já parou para pensar que Deus pode estar ai ao seu lado? Se ele se manifesta em toda sua criação, ele também está naquela pessoa que você pode estar xingando, condenando e até utilizando o próprio nome de Deus para fazer isso. Só pense nisso, um pouquinho só.

Sou daqueles que não consegue se calar diante de uma injustiça, defendo meus ideais, mas nem por isso saio ofendendo, mas também não sou tão elevado ao ponto de dar a outra face como resposta, não cheguei a esse nível de evolução, portanto, se quiser discutir baseado em fatos e argumentos, senta ai vamos conversar, talvez até pessoalmente, porque não? Agora, se vier ofender, chamar de ignorante, estúpido e outros adjetivos que já li, desculpa mas não tenho paciência para você e nem acho que tenho que ter. Discutimos ideias, pontos de vista, divergências de opiniões, pois isso é saudável, mas nunca ofensas! Vá cuidar dos seus medos e depois voltamos a conversar.

Termino com uma frase que expressa bem minha forma de pensar, talvez resuma muito daquilo que escrevi: não tenho medo das dúvidas, tenho medo das certezas!

Publicado em Textos diversos | Deixe um comentário

Peço desculpas em nome de todos os professores

Resolvi começar a semana pedindo desculpas, em meu nome e em nome de todos os colegas de profissão e explico os motivos.

Nos últimos dias, com bastante frequência, tenho lido comentários acalorados pelas redes sociais, em relação às constantes greves dos professores, em diversos Estados do País, Estados esses que fingem que essa greve não existe. Alguns “Governantes” já fizeram disso um mantra, “não existe greve, não existe greve” e pronto, problema resolvido.  Peço desculpas aos ferrenhos defensores, mas seria obrigado a incluir o Governo de São Paulo nesse meu texto, sei que ele é praticamente intocável, mas como bom baderneiro que sou, vou falar mesmo assim.

Os comentários  normalmente nos acusam de baderneiros, agitadores, destruidores da ordem pública, da ocupação indevida de espaços públicos, prejudicando com isso aos nobres cidadãos que pagam seus impostos e têm seus direitos de ir e vir tolhidos, além de tantos outros argumentos. Confesso que faz tempo que venho lendo e tenho procurado me abster de comentários, mas meu sangue baderneiro ferve e, por mais que eu tente, não consigo me calar por muito tempo.

Como professor adora questionar, vou fazer algumas perguntas e, humildemente, peço para que responda com muita sinceridade para si mesmo: você se lembra do nome do seu professor ou professora na época da sua alfabetização? Depois de formado, qual foi a última vez que você teve contato com algum professor? Quantas vezes, além da festa de formatura, você se lembrou de agradecer a um deles por ter feito da sua vida algo melhor?

Eu sei, é difícil, a vida é corrida, você rala muito e quase nem tem tempo para sua família e amigos, quanto menos para se lembrar de alguém com quem você conviveu há tantos anos e que pouca importância teve em sua vida, é assim mesmo. Sabe o que mais me deixa indignado? Eu sei que isso também não te interessa, mas vou responder mesmo assim, pois professor também tem essa característica, gosta de dar palpite e falar sempre, mesmo que ninguém esteja ouvindo. O que mais me deixa perplexo é o descaso com que tratamos os profissionais que deveriam ser os mais respeitados e sim, falo nós não somente por uma convenção de escrever em terceira pessoa, mas porque realmente poucos dão essa importância e não me venha com o discurso de que é o Estado e blá, blá, blá. Sim, o Estado é omisso, não valoriza, mas a grande maioria das pessoas também não, então, diante disso, porque somente dizer que é o Estado o grande culpado? Talvez o Estado somente seja o reflexo daquilo que a sociedade expressa todos os dias!

Você médico, você advogado, você engenheiro ou qualquer outro profissional bem sucedido, que tem seu direito de ir e vir tolhido numa sexta-feira, dia em que você chegaria mais cedo em casa ou num barzinho, para junto dos seus amigos e entes queridos, desfrutar de bons momentos e que teve seus planos atrapalhados por esse bando de baderneiros, em nome deles, peço desculpas, pois eles me representam. São brigas políticas? É mero jogo de poder? É sério, esses são seus argumentos? Que bom que hoje você tem certa estabilidade e goza dos frutos da sua profissão, não tenho nada contra isso, muito pelo contrário, fico muito feliz ao ver que alunos que passaram pela minha sala de aula hoje são bem sucedidos, me emociono com isso e não estou sendo hipócrita, é uma grande satisfação perceber que meu esforço valeu à pena, que as horas e horas que passei preparando aulas, que os finais de semana que deixei de me divertir com meus amigos e família para corrigir aquele monte de trabalhos chatos não foram em vão, que as dores que muitas vezes superei para estar à frente de uma sala de aula não foram por nada. Peço desculpas pelos transtornos que causamos à sociedade com nossas reivindicações mesquinhas e descabidas, peço desculpas por não aguentar mais um sistema que empurra 150 alunos numa sala de aula e fala que tenho que dar um show para não perder nenhum, peço desculpas por ter sido agredido em sala de aula, agressões físicas e morais, que caem de todos os lados, alunos, pais de alunos, direção da escola, pois mais de uma vez já ouvi que todo professor é desonesto, não quer trabalhar, é “bracinho curto”, mesmo esse bracinho curto tendo que trabalhar em condições quase desumanas, em salas com 150 alunos, num calor perto dos 40° graus, isso à noite. Eu sei que chegar cedo na sua casa e ir para o conforto do seu ar condicionado é importante e você merece isso, por isso, mais uma vez, minhas sinceras desculpas, aliás, me desculpo por estar te incomodando com esse meu texto chato.

Para finalizar, só mais uma coisa, talvez se você e tantos outros tivessem um pouquinho mais de consideração pelos professores que tiveram e que talvez ainda hoje, anos depois, ainda estejam trabalhando duro, pois o salário do professor realmente é uma piada, mas eu sei, nós trabalhamos pelo amor e não pelo dinheiro, educador não pode ser apegado aos bens materiais, mas nós comemos, temos contas para pagar e posso te contar mais uma coisa, que talvez nunca ninguém tenha falado para você, nós também pagamos impostos. É verdade sim, também descontam do nosso salário as mesmas coisas que descontam do seu, portanto, o espaço público também é nosso por direito, do mesmo jeito que também é seu! Se não fossemos tão esquecidos e relegados pela sociedade, talvez não tivéssemos que atrapalhar o seu santo sossego e descanso, mas infelizmente nós somente somos lembrados assim, quando atrapalhamos, quando incomodamos, do contrário, parece até que somos invisíveis.

Vou continuar abraçando e amando minha profissão, aquela que escolhi porque gosto e não porque sou um fracassado e não me dei bem em nenhuma outra coisa na vida, é verdade, eu gosto do que faço, sempre foi minha opção, antes de entrar para a faculdade eu já tinha isso como objetivo, portanto, não julgue a mim ou a tantos outros colegas que escolheram, por amor, essa profissão e acredite, nem todo professor é um fracassado, assim como nem todo advogado é desonesto e nem todo médico é mercenário.  Continuarei na profissão porque não preciso dos aplausos da sociedade, preciso ter a consciência de que fiz meu trabalho bem feito, mas tenho que confessar também que um pouco de respeito faz bem a qualquer pessoa e, por mais inacreditável que possa parecer, professor também tem sentimentos e também gosta de respeito.

Se você entendeu as ironias do meu texto, agradeça a seus professores, eles fizeram o trabalho deles bem feito. Que ironia? Que é isso? Talvez bons professores tenham faltado em sua formação. Se você leu esse texto até aqui, que bom, pelo menos um dos seus professores, que foram muitos, fez o trabalho dele bem feito, mas que importância tem isso, não é mesmo? Finalizando, peço desculpas por ter tomado seu tempo com coisas tão fúteis e triviais, pode voltar para suas ocupações e tenha um ótimo dia.

 

 

Publicado em Textos diversos | Deixe um comentário

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG)

sig

 

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG)

Página destinada aos alunos da disciplina de Sistemas de Informações Gerenciais (SIG), do IFSP Capivari.

Aqui você vai encontrar materiais das aulas, dicas, vídeos e informações importantes sobre a disciplina. Confira sempre esse espaço, aproveite e, em caso de dúvidas, fale com o professor pelo e-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com ou  andre.belini@ifsp.edu.br

Ementa da disciplina:

Análise dos Sistemas de Suporte a Decisão nas organizações. Estudo sobre Data Warehouse com sua análise dimensional e processo de ETL. Estudo sobre Data Mining com seus algoritmos de Correlação.

Materiais de Aula:

ADS – SIGA5 – Plano de Ensino

PDI – Trabalho em Grupo

Aula 01 e 02 – Apresentação Disciplina. Conceitos Fundamentais SIG

Aula 03 – Questões éticas e sociais em sistemas de informação

Aula 04 – Ebusiness como as empresas usam os sistemas de informação

Aula 05 – Conquistando Vantagens Competitivas com SI

Aula 05 – Atividades Práticas

Aula 06 – Fundamentos da inteligência de negócios

Aula 07 – Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente

Hospital Samaritano e a implementação de ERP

Aula 08 – Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimento

Aula 09 – Telecomunicações, internet e tecnologia sem fio

Aula 09 – Atividades Práticas – Toró de Parpites

Aula 09 – As novas formas de negócios utilizando a Internet (Cartilha do Portal SEBRAE)

Aula 10 – Segurança em sistemas de informação

Materiais complementares da aula 10 (opcional)

Aula 07 – Norma ABNT 27002 – Parte 1

Aula 06 – Aprimorando a segurança da rede – Princípios de criptografia e certificação digital

Caso queira mais informações sobre o assunto, consulte a disciplina Segurança de Redes

Aula 11 – Como desenvolver e gerenciar sistemas

Aula 11 – Estudo de Caso

Aula 12 – Estudo de viabilidade de sistemas de informações

Aula 13 – Planejamento de tecnologia nas organizações e Gestão de recursos

atencao2

Cronograma das atividades nas próximas aulas:

29/05/15 – Aula 13 (última aula teórica – finalizando os assuntos da ementa)

01/06/2015 – Exercícios e atividades para avaliação – revisão de conteúdo e tira dúvidas

12/06/2015 – Avaliação individual

19/06/2015 – Desenvolvimento e Finalização do PDI

25/06/2015 – Entrega final dos trabalhos e Apresentações

26/06/2015 – Finalização das notas e lançamento das médias

02/07/2015 – Prova Substitutiva

03/07/2015 – Finalização dos lançamentos das notas

Composição de Notas e Média

1° Avaliação: Trabalho de pesquisa e escrita em grupo. Essa atividade será composta pela parte escrita do trabalho, que valerá até 4,00 pontos, e também a apresentação final, que valerá até 2,00 pontos.

2° Avaliação: Prova individual. Valerá até 4,00 pontos

Média Final = (Trabalho * 0,40) + (Apresentação * 0,2) + (Prova *0,4)

linkimportante

Quer saber mais sobre o PDI? Acesse o link abaixo:

http://www.sisp.gov.br/faq_governancati/one-faq?faq_id=13941590

Já conhece o Portal do Software Público Brasileiro?

http://www.softwarepublico.gov.br/ListaSoftwares

 

videos

Vídeos Relacionados à Disciplina – Materiais Complementares

Futuro da Tecnologia

Mudança da Comportamento – Comece a mudança!

Gestão de Projetos

PDCA na Gestão de Projetos

Hitler e o Controle Emocional na Gestão de Projetos

Desenvolvimento de Software – CMMI

Desenvolvimento de Software – CMMI Nível 3

Atendimento ao Cliente

Forças Competitivas de Porter

O que é ética?

Ética e Tecnologia

Interesse nas redes sociais (vamos rir um pouco)

O Departamento de T.I.

 Quem são seus concorrentes?

Logística e Comércio Eletrônico

Business Analytics – Transformando Dados em Insights

Computação Cognitiva

Planejamento de Projetos – Não deixe para amanhã o que pode ser feito agora

Engenheiro prá que? – Cuidado para não complicar o simples..

Paciência no atendimento ao cliente

Gestão da Cadeia de Suprimentos

Supermercado do Futuro ou do Presente?

Novas Tecnologias

Etapas do Processo Decisório

Como Tomar as Melhores Decisões

Cidades Mais Inteligentes

O que é o IPv6 – NICBr

Marketing Digital

O Poder das Mídias Sociais

Brastemp – O Dia em que um Sorriso para São Paulo

Publicado em IFSP, Sistemas de Informações Gerenciais | Deixe um comentário

Segurança de Redes

logo

 

Segurança de Redes

Página destinada aos alunos da disciplina de Segurança de Redes, do IFSP Capivari.

Aqui você vai encontrar materiais das aulas, dicas, vídeos e informações importantes sobre a disciplina. Confira sempre esse espaço, aproveite e, em caso de dúvidas, fale com o professor pelo e-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com ou  andre.belini@ifsp.edu.br

Ementa da disciplina:

A disciplina apresenta as ameaças às redes de computadores e os mecanismos para buscar garantir a segurança e minimizar os riscos, utilizando ferramentas próprias.

Materiais de Aula:

MSI – SEGT3 – Plano de Ensino e Plano de Aula

Aula 01 – Introdução à Segurança em Redes de Computadores

Aula 02 – Técnicas comuns de ataques – Ataques para obtenção de informações

Aula 03 – Técnicas comuns de ataques – Fraudes e Ataques utilizando malwares

Aula 03 – Atividades Práticas

Aula 04 e 05 – Ataques de força bruta e Ataques de Negação de Serviço

Aula 06 – Aprimorando a segurança da rede – Princípios de criptografia e certificação digital

Aula 07 – Norma ABNT 27002 – Parte 1

Textos para realização de atividades / estudo de caso – Aula 07

CEF e problemas de segurança

O rastro da espionagem _ EXAME

PF prende quatro suspeitos de roubo de laptops da Petrobras

Aula 08 – Servidores Proxy

Aceleração no acesso à internet estudo sobre o servidor proxy (material complementar)

Aula 09 – Aprimorando a segurança da rede – Firewall

Materiais complementares aula 09

Aula 09 – Estudo de caso – Firewall

Aula 09 – Estudo de caso 2 – Firewall

Aula 10 – Sistemas de identificação de intrusos

Aula 11 – Servidores VPN em Windows e Linux

Trabalho para Compensação de Notas

atencao2

Cronograma das próximas aulas

08/06 – Segunda-feira – Somente as duas primeiras aulas do período – Exercícios revisão

09/06 – Terça-feira – Somente as duas primeiras aulas do período – Exercícios revisão

11/06 – Quinta-feira – As quatro aulas – Avaliação Individual e entrega da lista de exercícios de revisão, através do Moodle.

15/06 – Segunda-feira – Somente as duas primeiras aulas do período – Fechamento das notas

18/06 – Quinta-feira – Desenvolvimento do Trabalho de Compensação de Notas

22/06 – Segunda-feira – Somente as duas primeiras aulas do período – Desenvolvimento do Trabalho de Compensação de Notas

29/06 – Apresentações dos trabalhos

06/07 – Fechamento das notas

atencao3

Composição de Notas e Média

1° Avaliação: Trabalho de pesquisa e escrita em grupo. Essa atividade será composta por um trabalho de pesquisa que irá compor a nota da primeira prova.

2° Avaliação: Prova individual. Essa atividade irá compor a nota da segunda prova

Média Final = (1° Avaliação + 2° Avaliação) /2

videos

Vídeos Relacionados à Disciplina – Materiais Complementares

VPN

Sistema de Detecção de Intrusão (IDS)

Firewall – O Guardião do PC (Olhar Digital)

Computador Velho? Transforme-o num Firewall (Olhar Digital)

Roubos pela Internet – Crimes Virtuais

Segurança na Internet – Invasores

Invasores (malwares)

Defesa – Prevenção

Botnets

A Arte da Perícia Digital

http://olhardigital.uol.com.br/video/a-arte-da-pericia-digital/10582

Segurança nas Redes Sociais

Criptografia – Como proteger suas informações

Introdução a Criptografia – Aula MIT

Segurança Digital – Olhar Digital

O profissional de Segurança de Redes – Olhar Digital

http://olhardigital.uol.com.br/embed/profissoes-digitais-seguranca-de-redes/4031

Vazamento de Informações

Vazamento de Informações II

Erros de Proxy

linkimportante

Links Relacionados à Disciplina – Materiais Complementares

http://idgnow.com.br/internet/2015/03/19/vazam-na-internet-dados-sigilosos-de-alunos-de-escola-tradicional-de-sp/

http://insecure.org/tools/tools-pt.html

Download do Software Maltego 

https://www.paterva.com/web6/products/download.php

Para instalar o Maltego, será necessário ter a versão 7 do Java. Para instalar, siga os passos abaixo:

http://ubuntued.info/como-instalar-o-oracle-java-no-ubuntu

Fontes Confiáveis de Informações

http://www.cert.br/

http://www.cgi.br/

http://www.nic.br/

http://ceptro.br/

http://www.cetic.br/

http://olhardigital.uol.com.br/home

http://info.abril.com.br/

 

softwaresSoftwares Relacionados à Disciplina

NMAP – Download aqui

XHydra – Download aqui (também pode ser baixo pelo Ubuntu Software Center)

Publicado em IFSP, Segurança de Redes | 1 comentário

Introdução à Computação

logotipo

 

Introdução à Computação

Página destinada aos alunos da disciplina de Introdução à Computação, do IFSP Capivari.

Aqui você vai encontrar materiais das aulas, dicas, vídeos e informações importantes sobre a disciplina. Confira sempre esse espaço, aproveite e, em caso de dúvidas, fale com o professor pelo e-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com ou andre.belini@ifsp.edu.br

Ementa da disciplina:

Tecnologias e aplicações de computadores. Tecnologia da informação. Representação e processamento da informação. Sistemas de numeração (decimal, binário, octal e hexadecimal). Aritmética binária. Representação de dados.

Materiais de Aula:

Introdução à Computação – PEA

Trabalho da Disciplina – Introdução à Computação

Aula 01 e 02 – Apresentação Professor e Conceitos Gerais

Aula 03 e 04 – Impacto Novas Tecnologias e Conversão de Bases

Aula 05 – Conversão de bases

1° Lista de Exercícios

Aula 06 – Aritmética Computacional

Aula 07 – Aritmética Computacional

Aula 08 – Subsistemas de Memória

Aula 09 – Unidade central de processamento

Aula 10 – Representação de Dados

 

atencao2Cronograma das próximas aulas

08/06 – Avaliação Individual – Divulgação das notas dos trabalhos e apresentações

 15/06 – Representação de Dados – Divulgação das notas finais

22/06 – Representação de Instruções

29/06 – Entrada e Saída (E/S)

06/07 – Prova Substitutiva (IFA)

 

atencao3

Composição de Notas e Média

1° Avaliação: Atividade em grupo. Essa atividade será composta por um trabalho de pesquisa e uma lista de exercícios e irá compor a nota da primeira prova.

A entrega deverá ser feita preferencialmente pelo Moodle, no entanto, caso não consiga fazer o upload do arquivo, devido ao seu tamanho (1MB), envie-o para o e-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com

Entrega do trabalho: 25/05/2015

2° Avaliação: Prova individual. Essa atividade irá compor a nota da segunda prova

Data da avaliação: 08/06/2015

Média Final = (1° Avaliação + 2° Avaliação) /2

 videosVídeos relevantes à disciplina

Vida de Processador

Evolução dos Processadores

T.I. Verde

Lei de Moore

 

Publicado em IFSP, Introdução à Computação | Deixe um comentário

Faça o que você gosta e com o que você tem

Acordei um dia desses com essa frase na cabeça, como se alguém a estivesse falando para mim, bem naquele momento em que você está acordando e já nem sabe mais se está dormindo ou acordado. Ela ficou em minha mente o dia todo e isso me deixou bastante reflexivo, pois como humano que sou, estou vivendo alguns dilemas e buscando a resposta para algumas dúvidas e essa frase veio bem a calhar, posso dizer que foi providencial.

É verdade que sempre estamos buscando a situação perfeita, o momento certo, os equipamentos adequados ou qualquer outra coisa que não temos, mas que é essencial para realizarmos nossos sonhos e objetivos, sempre falta algo para que sejamos plenamente felizes e não sou diferente disso. Me cobro muito, quando vou fazer algo tem que ser perfeito, seja lá o que for, e, com isso, crio expectativas inalcançáveis, fato que, naturalmente, acaba trazendo uma série de desdobramentos. Creio que isso acontece comigo e com muitas outras pessoas, para não ter a presunção de dizer todas e, nesse momento, “ouço” essa frase, que pode ter vindo do meu próprio subconsciente, ser uma mensagem divina, um anjo da guarda, enfim, cada um tem sua forma própria de justificar esses acontecimentos espontâneos, mas independente de onde ele tenha vindo, foi válido e muito importante.

Uma frase simples em sua estrutura, mas bastante profunda:  Fazer o que você gosta. Parece algo muito simples, mas você sabe bem do que você gosta? Gostamos de fazer muitas coisas, mas aquilo que realmente amamos ou nos identificamos alguns passam a vida toda tentando achar, prova disso é a quantidade de pessoas que mudam de profissão, de estilo de vida, de cidades e até países, sempre buscando algo que eles ainda não encontraram, talvez, exatamente por não terem ainda achado sua paixão, aquilo que gostam de fazer. Hoje eu não tenho mais problemas quanto a isso, sei identificar muito claramente aquilo que gosto, aquilo que me dá prazer, que me faz feliz, sem fazer qualquer alusão àquele grande hipermercado que tenho certeza que já veio a sua mente. Isso é a força de um bom marketing, mas é assunto para outra ocasião, por enquanto, vamos voltar ao “o que faz você feliz”.

Ao mesmo tempo que me sinto um privilegiado, pois já sei aquilo que muitos passam a vida buscando, vem o outro lado. Isso mesmo, nem tudo pode ser perfeito, existe outro lado: Não tenho meios, recursos, ferramentas ou formas de fazer o que gosto de fazer! Quem sabe se eu ganhasse mais eu poderia comprar o que preciso para fazer o que gosto, quem sabe se eu ganhasse na loteria, quem sabe…..são muitos “quem sabe” e, quando me dou conta, não fiz nada do que poderia ter feito, pois estou esperando alguma coisa, alguém, mas é fato que falta algo. Será que o que realmente falta não é a minha definição sobre o que realmente quero?

Fazer o que você gosta com o que você tem. Simples e profundo. Ah, mas eu não consigo fazer o que gosto com o que tenho! Será que não mesmo? Talvez não consiga fazer o perfeito que me cobro, mas será que não dá para baixar um pouco o padrão e fazer o que dá para ser feito? É, acho que sim… pensando dessa forma, acho que dá sim!

É isso, somos condicionados o tempo todo a sempre sermos perfeitos, melhores que tudo e todos, infalíveis, mas será que não é isso que nos traz tantas angústias, sofrimentos, depressões e crises de ansiedade e pânico? O medo de que o mundo veja que eu não sou o que eles querem que eu seja? E daí? Tenho que atender as minhas expectativas ou as do mundo?

Qual é a característica em mim que me diferencia dos demais? Aquilo que quando você faz te deixa com uma sensação boa, de prazer e de felicidade, isso é o que você gosta e o que você deve explorar, é o seu dom, aquilo que melhor você sabe fazer. Meios para colocar em prática? Sei que vão existir muitas dificuldades, mas nada que nos paralise ou que nos impeça de fazer o que tem que ser feito. Comece do jeito que for possível, se movimente, mostre ao universo sua vontade, movimente suas energias e veja que o restante também vai começar a se movimentar. Isso não é esoterismo e nem papo zem, é física pura e simples, somos energia e o universo também é energia, portanto, aqui que emanamos, recebemos de volta. Se jogamos dificuldades, mais dificuldades vão aparecer, se mostro, por outro lado, que quero soluções e novas condições e me movimento para isso, também vamos receber a mesma energia como retorno. Muitas religiões estudam isso, mas se você não acredita em nada disso, não tem importância, estude física e verá que é a mesma coisa, apenas com nomes diferentes.

No momento estou fazendo o que gosto, com o que tenho, estou escrevendo, que é o que gosto, com minha capacidade racional para isso, utilizando-me como ferramenta do notebook, que é o que tenho para fazer o que gosto. Viu como é simples? Se você chegou até esse ponto, provavelmente também está fazendo uma das coisas de que gosta, que é ler. Realmente é simples, nós é que complicamos o tempo todo. Mantenha sempre a simplicidade em sua mente e achará formas de tornar as coisas mais fáceis. Vejamos a simplicidade de uma criança, que ainda não foi contaminada pelo mundo e pelas neuroses da vida, para ela coisas importantes são o carinho dos pais, o alimento, algum brinquedo e um lugar para dormir. Claro que não sou ingênuo, mas será que realmente precisamos de tudo o que achamos que precisamos para ser feliz?

Não digo para que todos sejamos irresponsáveis, nada disso, apenas para fazer o que podemos fazer, com os recursos que temos em mãos e, dentro do possível, buscar a tão sonhada e almejada felicidade, que nunca será conquistada enquanto continuarmos a coloca-la em patamares onde, nós mesmos, nunca vamos alcançar.

Faça o que você gosta, com o que você tem e vá ser feliz!

 

Publicado em Textos diversos | Deixe um comentário