TIC – GESTÃO – EDUCAÇÃO

Início » Textos diversos » A Inocência e a Decadência se encontraram

A Inocência e a Decadência se encontraram

Arquivos

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

De um lado a pureza e a inocência, do outro, a indecência e a decadência humana. De um lado um garoto de 6 anos, feliz, com sua família, no dia do seu aniversário, do outro, seres que não sei se consigo chamar de humanos.
De um lado um pai, já acostumado com a rotina de roubos, desesperado, tentando proteger os seus, do outro, bandidos igualmente acostumados, mas com a rotina do crime, do pavor, da covardia.
Como normalmente acontece, venceu o mal, venceu a covardia. A decadência gritou: “onde está o cofre? ”, já a inocência, pura e também seguindo o exemplo do pai, retribuindo o gesto de proteção, ofertou o seu cofrinho, com toda a sua fortuna que ali estava depositada.
A inocência ofertou, a decadência levou. Não o cofrinho, pois a inocência não tinha valor, mas levaram aquilo que de mais valor a inocência tinha: seu pai, a quem ele, com toda sua pureza, tentava defender.
Trágico e simbólico, a decadência matou a inocência com um tiro no coração e, do órgão que representa o amor, emanou a dor.
O que era para ser a celebração da vida virou a contemplação da morte, que alguns chamariam de falta de sorte.
O “menino” talvez ainda nem entenda o que aconteceu, mas sentirá na sua alma, pelo resto da sua vida, a dor de uma sofrida partida. Um cofre pode guardar segredos, tesouros, ouros e tudo o que é de efêmero valor, mas não guarda o amor.
A mídia não pode revelar o nome do “menino”, pois a Lei protege a sua identidade, para lhe dar segurança e privacidade, mas que tremenda contrariedade se comparada a tamanha adversidade.
Hoje, em minhas orações, rezarei por um “menino”, que sequer sei seu nome, mas que já viveu a pior das experiências, coisa que nenhum “menino” ou “menina” deveria jamais passar, um menino que a Lei não protegeu e para o qual o Estado, indigno e insensível, certamente irá ignorar, exceto pelo pequeno peso que ele irá representar no próximo relatório sobre a violência.
Mesmo diante de toda dor e de toda maldade, “eu fico com a pureza das respostas das crianças”… e torço para que essa pureza, um dia, ainda possa tocar os corações mais decadentes.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: